A Diáspora Portuguesa em Madrid

No passado dia 19 de outubro, a Câmara de Comércio Hispano Portuguesa (CHP), em colaboração com a Embaixada de Portugal e Banco Caixa Geral, Capgemini e EDP, promoveu um almoço-colóquio com a Diáspora Portuguesa em Espanha, tendo como convidado de honra o Presidente da Direcção do Conselho da Diáspora Portuguesa, Filipe de Botton.

 

A Câmara de Comércio Hispano Portuguesa

António Calçada de Sá, Presidente da Câmara de Comércio Hispano Portuguesa e membro do Conselho da Diáspora Portuguesa, afirmou que uma das suas obrigações enquanto presidente é apoiar instituições que procurem fortalecer a representação de Portugal no mundo, nomeadamente em Espanha. "Estamos a construir laços entre Portugal e Espanha há mais de 45 anos, quando a Câmara foi fundada, com o único objectivo de promover e defender as relações económicas bilaterais, comerciais e industriais, bem como apoiar todos os portugueses e espanhóis que se comprometam com a península ibérica. Consideramos muito importante promover estes encontros com associações como o Conselho da Diáspora Portuguesa para cumprir este propósito. É evidente que Portugal tem muitos profissionais dispersos em todo o mundo e que partilham um objectivo comum, de que o nosso país seja mais reconhecido em todo o mundo, e isso implica reunir o maior número de associados que demonstram essa vocação de construir mais Portugal, mais Espanha e, finalmente, mais Iberia".

E referiu também: "Ambos países levam cada vez mais uma agenda comum, as exportações portuguesas para Espanha cresceram nos últimos anos em mais de 20%, e, reciprocamente, Espanha exporta para Portugal mais do que toda a América do Sul em conjunto, o que indica a interação activa a todos os níveis. As mais de 2.500 empresas ibéricas estão a desenvolver essas relações com grande energia e mérito".

 

Palavras do embaixador

O Embaixador de Portugal em Espanha, Exmo. Sr. Francisco Ribeiro de Menezes, apontou que: "Além do prazer de participar das acções da Câmara, nesta ocasião é uma honra falar das comunidades portuguesas no mundo e do papel promocional que desempenham na representação e no aprimoramento de Portugal, um país aberto ao exterior com uma história de vocação universal. Portugal tem sido um país que deu novos mundos ao mundo e sua bem sucedida vocação de abertura ao mundo exterior é bem reconhecida". Com base na definição tradicional de que "uma instituição é uma ideia que persiste no tempo", Francisco Ribeiro de Menezes lembrou que, após cinco anos de nascimento do Conselho da Diáspora Portuguesa "a associação mantém a sua vitalidade e estamos aqui para desenvolver com todos a sua potencialidade".

"Como Embaixador de Portugal na Espanha", acrescentou, "estou consciente de que a tarefa de internacionalização não pode depender unicamente dos meios estatais, e não deve ser. As relações entre pessoas, empresas e sociedades devem ser muito mais amplas. Os governos devem definir um quadro político legal, mas é a sociedade que tem um papel mais importante para desenvolver essas relações diariamente. No caso de Espanha, não teria sido possível encontrar um melhor interlocutor do que a Câmara de Comércio Hispano Portuguesa "pelo seu dinamismo, representatividade e liderança, sempre comprometida com a vocação íntima de ambos os países", afirmou o embaixador. "E não seria fácil encontrar uma comunidade portuguesa tão interessante como a de Espanha. Este país acolheu-nos com um claro desejo de alcançar um entendimento mútuo e de solidariedade, uma comunidade com um grande espírito empreendedor e com grande mobilidade de ideias, projectos e investimentos, uma comunidade focada no futuro".

 

O papel do Conselho da Diáspora

O Presidente da Direcção, Filipe de Botton, referiu: "O principal objectivo da nossa associação é de fortalecer as relações entre Portugal e a sua diaspora, portugueses e luso-descendentes, para que, por meio de seu mérito, talento e influência, possam contribuir para o fortalecimento da reputação de Portugal e, conseqüentemente, desenvolvimento e prosperidade de Portugal ". Hoje, os portugueses são vistos como pessoas de alta capacidade e que podem constituir um 'lobby' de excelência que represente a marca de Portugal no mundo". Filipe de Botton destacou que o Conselho da Diáspora nasceu "sob o princípio da complementaridade, trabalhando em conjunto com a rede diplomática e com o objectivo comum de melhorar a imagem de Portugal no mundo. Ao juntar-se a esta rede da diáspora portuguesa, acrescentou, permite afirmar Portugal como uma marca, e, através dos Conselheiros, influenciar positivamente os círculos onde interagimos, representando os interesses do país no exterior".

"Portugal é hoje um país seguro, com uma cultura totalmente aberta à diversidade, que nos permite actuar de forma diferente e responder em diferentes áreas, como a inovação tecnológica, a educação, o turismo ou desporto, com uma capacidade de diálogo institucional entre muitos outros, e onde Portugal e os portugueses são reconhecidos como um exemplo a seguir, destacados pela 'mass media' internacional. Portugal está a passar por um momento muito positivo mas não devemos deixar-nos cair numa euforia inapropriada. Os resultados de hoje exigem perseverança e uma perspectiva de médio prazo. O país ainda tem muitos desafios para resolver e o Conselho da Diáspora pretende contribuir para superá-los", afirmou.

 

 

Por Conselho da Diáspora Portuguesa, Outubro 2017

Voltar