Portugal cose a moda espanhola

Portugal, que leva desde os anos 80 produzindo roupa para Espanha, esta a intensificar a sua posição como fornecedor das grandes marcas espanholas. Portugal, que exportava roupa e textil a Espanha por 1.293 milhões de euros em 2012, superava os 1.790 milhõnes em 2015, um 38,6% mais em só quatro anos. Uma produção encomendada por empresas como a Inditex, Carolina Herrera, Purificación García, El Ganso ou Bimba y Lola.

A produção total da indústria portuguesa da confecção, que trabalha também para França ou Alemanha, passou de 5.600 milhões de euros de 2012 a 6.200 milhõnes no ano passado. Resultados que não surpreendem Ángel Asensio, presidente da Fedecon, que reconhece que “Portugal é um pais forte neste sector, com uma indústria textil e de confeccão muito cuidada, uma mão de obra mais barata e uma boa especialização em tecidos e confecção”.

Uma opinião que Marcos Álvarez, consultor executivo de Cortefiel, completa ao assinalar que “há três factores que levam as marcas espanholas a fabricar em Portugal: a rapidez de resposta, os custos de producção e a qualidade produtiva, fruto de uma cultura textil forte”. As causas do sucesso português são que, ao contrário do que aconteceu em Espanha, as empresas não só fecharam as fábricas, mas também investiram em tecnologia e processos para se tornar fornecedores de proximidade para marcas espanholas, francesas ou italianas.

"Uma reorientação estratégica do modelo de negócio", disse Alberto Rocha Guisande, secretário-geral da Cointega, os empregadores galegos no sector, "com tanto sucesso que é um caso digno de estudo". Estas empresas não se limitam a cortar e costurar. Eles já controlam todo o processo de fabricação, desde a compra do tecido até à entrega. Adelino Costa, presidente da ANJE, Associação de jovens empresários de Portugal, esclarece que as empresas "prestam serviços como desenvolvimento de produtos, inovação, design, logística e fornecimento". Adelino Costa acrescenta que "as marcas espanholas utilizam as fábricas portuguesas para assegurar as várias etapas da cadeia de produção têxtil, o fornecimento de matérias-primas e a execução de processos industriais específicos". E fazem-no, além disso, com total eficiência, já que a indústria portuguesa consegue entregar um pedido em apenas 15 dias.

A reconversão deve-se ao facto de ter empresas de certa dimensão capazes de lidar com os investimentos necessários. A. Ferreira e Filhos tem quatro fábricas e 350 trabalhadores; a Dielmar, especializada em fatos e marcas próprias, tem 400, como a Goucam. Ao que devem ser adicionados os trabalhadores indirectos, em empresas de subcontratação. Na verdade, a estrutura da indústria portuguesa não parou de crescer. Havia 7.000 empresas em 2010 e agora existem quase 8.000. A força de trabalho total cresceu de 120 mil em 2012 para mais de 140 mil.

 

Uma produção mais barata

Que os custos de mão-de-obra são mais baixos do que em Espanha também ajuda. Embora os especialistas não pensem que seja o mais relevante. "Esse não é o factor determinante que leva as marcas de moda a terceirizar a sua produção em Portugal", diz José Manuel García Orois, gerente da Câmara de Comércio de Vigo. Na sua opinião, "a tecnologia, a eficiência e a disponibilidade de uma estrutura industrial que não se perdeu através do processo de deslocalização" são mais importantes. "Embora os custos de produção em Marrocos sejam mais baixos e os produtos sejam mais baratos, algumas marcas estão a abandonar Marrocos e a apostar em Portugal pela qualidade do produto e capacidade de entrega", diz Adelino Costa, da ANJE.

Grande parte do sucesso da indústria de vestuário portuguesa, focada na produção integral de roupas para terceiros, em vez de em marcas próprias, é devido ao compromisso da Inditex de produzir em Portugal, o que ajudou a manter a actividade. Como resultado dessas apostas da Inditex e de outras empresas galegas, tornou-se um verdadeiro conjunto de moda, em que cada parte se especializou e serviu, diz Rocha Guisande, "para maximizar a complementaridade" . "Enquanto a Galiza se concentrou no design da moda", diz Garcia Orois, "a indústria incentivou e apoiou o nascimento de oficinas têxteis que actuaram como principais fornecedores de marcas galegas". O chefe da Cointega não tem dúvidas de que "contar no território da euro-região Galiza-Norte de Portugal com um cliente da capacidade de arrasto da Inditex foi decisivo e que alguns consideram o milagre econômico português".

 

 Por El País, Setembro 2017

 

Voltar